• STATO

4 dicas para impressionar nas reuniões

Pesquisas indicam que as pessoas levam menos de um minuto para formar opinião sobre a competência de um porta-voz nas reuniões. Ou seja, não basta escolher os melhores slides, revisá-los e construir uma apresentação atraente. Para envolver os participantes nestas ocasiões, é preciso parecer e soar confiante.

O que você diz e como o diz são igualmente importantes em um encontro de negócios. Linguagem corporal e atributos vocais são os fatores que mais pesam na hora de determinar o nível de confiança de um profissional à primeira vista. A boa notícia é que este processo pode ser treinado. Confira abaixo como:

Contato visual A relação “olho no olho” é o primeiro passo para estabelecer confiança com outras pessoas – especialmente no mundo dos negócios. Embora possa ser desconfortável em alguns momentos, trata-se de um gesto que transmite sinceridade na fala. Aos mais tímidos, a recomendação é começar praticando com um grupo pequeno. Outra alternativa é gravar a si mesmo durante uma simulação e avaliar se o tempo dedicado ao contato visual é satisfatório.

Postura aberta e gestos Não devem existir barreiras entre orador e público, e a melhor forma de garantir isso é mantendo os braços abertos e as mãos longe dos bolsos. Durante a fala, um orador confiante costuma também gesticular para tangibilizar conceitos e afirmações. Existem ainda outras barreiras que podem comprometer a relação com os ouvintes, como um computador ou uma mesa. Neste caso, reorganize o espaço para permitir uma interação total com os participantes.

Evite vícios de linguagem Como dissemos acima, a fala é tão importante quanto a postura. Em momentos de tensão, vícios de linguagem podem se tornar frequentes na tentativa de evitar o silêncio, o que pode incomodar o público. A melhor maneira de aprimorar a oratória é se autoavaliar. Para fazer o teste, elabore um discurso, discorra-o com a ajuda de um microfone e depois escute o áudio. Perceba, então, todos os vícios de linguagem recorrentes e tente evitá-los durante a próxima fala.

Pausas e controle da voz Fazer pausas durante as frases é necessário tanto para o orador quanto para as pessoas que o estão assistindo. Falar rapidamente indica nervosismo – comprometendo a qualidade da mensagem – e impede reflexões sobre o que está sendo apresentado. Por outro lado, momentos de maior importância devem ser enfatizados com tom mais forte e incisivo, colocando os demais participantes na “mesma página”. 

Via: HBR