top of page
  • STATO

Quiet Time como prática dos times de alta performance.



O mundo tornou-se cada vez mais barulhento, em todos os ambientes que frequentamos. No trabalho, o excesso de ruído pode ser desgastante, gerando ambiente de distração e menos eficiência, e por isso questionamos: devemos integrar ao cotidiano corporativo melhores práticas de quiet time como ferramenta para desenvolvimento de times de alta performance? Como fazê-lo? Inicie diálogo aberto com sua equipe, onde cada membro tenha a oportunidade de responder às seguintes perguntas:


  • De que maneiras eu crio ruídos que impactam negativamente os outros? Essa pergunta vai permitir reflexões pessoais e incentivar o questionamento sobre padrões que precisam ser redefinidos.

  • Quais são os hábitos ruidosos que mais me incomodam? Trata-se de oportunidade para que todos sejam honestos sobre o que mais atrapalha seu dia, sem apontar dedos ou gerar desentendimentos.

  • Como posso ajudar o time a desenvolver a prática do quiet time? Esta é uma oportunidade excepcional para brainstorm. Compartilhe e ouça ideias, estabeleça metas ou normas que, ao se tornarem hábitos, passam a fazer parte da cultura de eficiência e alta performance do time.

Lembre-se:

  • As soluções devem estar adequadas à cultura da empresa e às necessidades e perfil da equipe, não apenas às demandas de indivíduos isolados. Conhecer o perfil comportamental de cada membro da equipe é essencial para que essa mudança de hábitos seja efetiva.

  • O quiet time não pode ser inflexível, pois nem tudo está sob nosso controle e demandas de última hora acontecem e não podem deixar de ser atendidas.

Sua empresa já conhece a nossa ferramenta de análise de perfil comportamental individual e de equipes? Saiba mais


Publicação adaptada do artigo How to Build a Culture That Honors Quiet Time,” por Justin Zorn e Leigh Marz.

bottom of page