• STATO

Transição de carreira: 4 sinais de que chegou a sua hora

Trabalhar é, sobretudo, uma necessidade. Se for possível aliar prazer à atividade exercida, melhor. O problema é que nem sempre existe conexão entre essas duas coisas, e os efeitos começam a aparecer no dia-a-dia. Quando isso acontece, a recomendação é refletir sobre o assunto, arregaçar as mangas e tomar a importante decisão de procurar uma nova oportunidade profissional.

Neste post, listamos alguns dos sinais que indicam a hora certa de sair em busca de desafios diferentes. Os sintomas reunidos pela STATO refletem o estado de espírito do colaborador sobre a ocupação atual e dizem muito sobre a possibilidade de ir além na carreira. Sempre com responsabilidade e planejamento, ponderando os movimentos e tendo auxílio especializado.

Estou infeliz e desmotivado Você sai de casa todos os dias pela manhã e vai até a empresa onde não gostaria de estar. Lá os dias demoram a passar e você sente infeliz – até mesmo inútil em algumas situações. Na sua avaliação, a empresa não oferece oportunidades de crescimento adequadas e o chefe é mau gestor. Se você se sente desmotivado no emprego atual, talvez seja a hora de procurar alternativas na carreira. Em vez de reclamar e desgastar-se cada vez mais, o melhor caminho é entender os motivos pelos quais a posição não lhe agrada, avaliar se vale a pena investir nela – conversando com os gestores – e só então tomar uma decisão consciente. Optando por sair, inicie a busca criteriosa por empresas cuja cultura esteja alinhada com o que você espera de uma empregadora. Desta forma, a chance de êxito aumenta exponencialmente.

Vou mudar de área Se o conflito identificado tiver relação com o ofício em si, pode ser o momento de encontrar uma nova vocação ou apostar naquela que sempre esteve escondida dentro de você. A migração para outro setor de trabalho deve vir acompanhada de análises minuciosas sobre a área de interesse, visando possibilidades concretas para o horizonte escolhido. Compreender a real demanda do mercado em questão e as etapas necessárias para fazer esse movimento de forma consistente é essencial. Para tanto, é preciso também definir claramente o propósito profissional envolvido e evitar movimentos impulsivos que possam atrapalhar o processo de maturação da sua escolha.

Quero ganhar mais Além da desmotivação com o emprego atual e da insatisfação com a atividade exercida, um dos dilemas corporativos mais comuns é a remuneração aquém do desejado. É verdade que a crise econômica que afeta o país tem esfriado o ânimo dos empresários acerca de novos investimentos, mas mesmo assim é possível encontrar melhores oportunidades profissionais. Para ser bem-sucedido nessa empreitada, é fundamental traçar planejamento assertivo e cuidadoso para galgar degraus na carreira e, consequentemente, atingir novos patamares financeiros.

Preciso de um Plano B Por falar em finanças, depender de apenas uma única fonte de renda é mau negócio porque pode ‘deixá-lo na mão’. A busca pelo plano B é geralmente definida em dois cenários na carreira: o primeiro acontece quando o profissional vive um momento estável e decide, por conta própria, estruturar plano B por meio de investimentos e capacitação para o projeto escolhido. O segundo momento exige cautela porque costuma surgir quando o plano B vira plano A, após um fato novo causar turbulência inesperada, como uma demissão, por exemplo. Em ambas as realidades, seja por demanda passiva ou ativa, recorrer ao plano B é um movimento de carreira necessário para evitar surpresas desagradáveis na trajetória corporativa.