• STATO

Pausa na carreira: como saber a hora certa?

Após quase 30 anos de carreira, a banda Skank pegou os fãs de surpresa e anunciou uma pausa nas atividades. O motivo? Viver novos ares. “É hora de experimentarmos, ainda que dermos com os burros n’água… há muito a descobrir”, justificou o líder do grupo, Samuel Rosa. Uma decisão corajosa e que pode servir de inspiração para profissionais insatisfeitos com o curso de suas trajetórias profissionais.

No ambiente corporativo, a pausa na carreira tem outro nome: período sabático. É relativamente comum executivos “darem um tempo” para refletir sobre futuras realizações após muitos anos atuando na mesma função. Mas, o que parece uma decisão súbita de mudar de vida na verdade não é. A atitude de “tirar um sabático” deve vir acompanhada de repostas conscientes sobre o que se pretende a partir disso.

O profissional interessado em interromper momentaneamente a carreira deve primeiro entender a sua motivação. Saber quais são os objetivos e as expectativa envolvidas no projeto ajudam a organizar o movimento necessário. Há quem opte pelo período sabático para se afastar da rotina diária, viajar e conhecer outras culturas. Da mesma forma que o período sem trabalho pode servir para reflexões e realização de atividades para as quais falta tempo no dia-dia.

O ‘break’ na carreira não precisa significar demissão. Algumas empresas possuem políticas que permitem ao profissional se ausentar por tempo determinado, retomando as atividades ao final do prazo estipulado. Todos os detalhes, porém, devem ser acertados com o gestor, avaliando o impacto da ausência para a organização. Caso a negociação não avance, cabe ao profissional refletir sobre a melhor decisão a ser tomada, colocando em perspectivas os eventuais riscos de passar uma temporada fora do mercado.

Seja qual for o objetivo e o formato do período sabático pretendido, uma coisa é certa: ele precisa ser desenhado de forma minuciosa e com responsabilidade. Isso porque o profissional que optar por este caminho deve levar em consideração o fator financeiro e ter à disposição uma reserva que o permita custear a operação, uma vez que a remuneração será suspensa temporariamente. Se, ao avaliar todos estes fatores, a resposta for positiva, a recomendação é seguir em frente!