• STATO

4 qualidades de equipes resilientes para se inspirar

Tempos difíceis afetam a todos, provocando reações diferentes nas pessoas. Em momentos de crise, no ambiente corporativo, a busca é por reações ágeis e consistentes capazes de mudar cenários rapidamente. Aqueles que se adaptam melhor a cenários incertos costumam largar na frente. A isso damos o nome de resiliência, que é a capacidade de se recuperar após mudanças de curso.

Segundo a Fast Company, equipes formadas por profissionais resilientes não são à prova de estresse ou sem emoções. O que as define é a qualidade de resolver problemas complexos de maneira eficaz através de um sistema que mantém a saúde física e mental. São pessoas que geralmente levam menos tempo para recuperar de contratempos e demonstram habilidade para lidar com desafios de naturezas variadas.

Abaixo, você confere 4 qualidades comuns a equipes resilientes:

1 – Eles mitigam o dilema do gerente-produtor À medida que o gestor se desenvolve e ganha senioridade, é comum que sua presença seja necessária nas duas partes do trabalho: operacional e estratégica, criando o dilema do “gerente-produtor”. Muitas vezes, a relação entre essas necessidades não é devidamente equilibrada. Sem um forte investimento em cultura organizacional, as equipes se tornam sub-lideradas com o tempo e menos propensas a alcançar os benefícios do trabalho colaborativo e diverso. Uma equipe resiliente toma consciência deste gap e, juntamente com o gestor, cria processos para permitir o bom desenvolvimento das entregas sem depender excessivamente do aval da chefia.

2 – Eles se mantêm motivados Equipes resilientes combatem a tendência observada em ambientes de trabalho altamente desafiadores, onde há competitividade feroz gerada pela necessidade de realização e autonomia. Em vez disso, elas recorrem ao senso de pertencimento através de metas visando bem-estar e a motivação de fazer parte daquele time. Aos líderes deste ambiente inclusivo, cabe a missão de incentivar os colaboradores com suporte para manter esses resultados valiosos.  

3 – Eles tomam abordagem participativa O senso de pertencimento é construído por meio de uma rede de colaboração. Isso significa que o gestor precisa envolver as pessoas nas iniciativas antes de definir planos de ações, de forma que eles se sintam parte ativa do todo. A abordagem participativa eleva o engajamento porque deixa claro o porquê do trabalho de cada membro da equipe.

4 – Eles priorizam o bem-estar Equipes resilientes falam abertamente sobre estresse e desgaste. Elas entendem que o esgotamento é um processo de exaustão gerado pelo desequilíbrio das demandas e dos recursos no ambiente de trabalho. Por isso, grandes organizações têm investido em pesquisas e treinamentos para estimular a autorreflexão e eficácia na prevenção dos sintomas relacionados. Um time com resiliência não caminho sozinho, ele precisa do apoio das lideranças para continuar sendo resiliente.